Dança como estilo de vida. Conheça os estilos que estão em alta e sabia qual a melhor opção para você

Segundo o dito popular, quem dança seus males espanta muitas vezes isso é levado mais a sério que você imagina, dentro de uma academia de dança, sentimos como as alunas, levam isso como paixão, religião, fidelidade e, outros adjetivos que você com o tempo descobre.
08/09/2017 23:21
noticia Dança como estilo de vida. Conheça os estilos que estão em alta e sabia qual a melhor opção para você
noticia Dança como estilo de vida. Conheça os estilos que estão em alta e sabia qual a melhor opção para você

Por Adriano Coelho

Em uma breve matéria na Academia Shiva Nataraj, sentimos de perto o que realmente esse amor representa. A proprietária Symone Coelho, que já está nesse mundo há mais de trinta anos, começou estudando jazz, hoje, além de proprietária, é professora de ballet clássico e flamenco. Nessa matéria, mostraremos os estilos que hoje estão em alta e, passar para os leitores, que estão na dúvida sobre qual dança deve fazer.

Professora Symone

Symone fala da importância do curso técnico em dança, é para quem já tem uma experiência, o aluno já saiu com o DRT, isso dá uma alavancada no currículo para quem quer fazer da paixão profissão, pessoas de outros estados vem para fazer o curso, algumas chegam a ficar apenas um final de semana, as aulas tem teoria, possuindo avaliação com notas. A proprietária alega que o Brasil tem bailarinos famosos, muitas companhias de dança estão se profissionalizando, o futuro promete. Symone ainda afirma que o ballet fitness, assim como o pilates, são muito bons para o corpo e mente ambas as modalidades, tiveram um crescimento significativo, pois, são vistos em várias academias, lembrando que os dois fitness citados, também tem na academia Shiva Nataraj.

Em relação da fusão, que hoje em dia se faz, é muito normal, ver a dança sendo misturada com modalidades, da qual nunca se imaginou, em muito musical, se coloca dança, com espetáculos circenses e até arte marcial no palco, isso junto com o teatro, Symone diz que não é contra, pois, para ela tudo é arte, lembrando que na academia tem teatro musical, como também já teve kung fu durante quatro anos, mas desde começo de janeiro não tem mais. As dicas para quem quer abrir uma academia são as seguintes: Amar a dança em ter a cabeça muito aberta para o mundo das artes;

Um dos destaques da academia é o Flamenco, que envolve musica canto e dança, apesar de ser espanhol, ele tem origens na cultura judaica e cigana, surgiu na região de Andaluzia.  Em 2010 a ONU considerou como patrimônio cultural da humanidade.

Professora Letícia

A professora Letícia Albanese diz que o flamenco a riqueza de técnica, tem que ter postura nos movimentos, ficar atenta aos detalhes. Apesar da dança ser mundialmente famosa, no Brasil é praticado por um público restrito, não é tão conhecido, apesar da cor vermelha ser muito forte nas roupas, Letícia afirma que não é uma regra, em Sevilha – ESP se usa muitas vestimentas coloridas, alguns coreógrafos, preferem o preto, pois, acham que causam mais impacto.

A professora também alega que ao vivo, a dança flamenca expressa alegria, amor, sensualidade, pois, tem uma vasta cultura, onde até os violões são diferente, em eventos flamencos, a culinária espanhola também é presente, Letícia define flamenco como: Força, Paixão e Expressão;

Professora Luna

Nenhuma dança talvez passe tanta sensualidade, como a Dança do Ventre, onde se usa véu, espada, punhal e até candelabro. A professora Lunah Farah bailarina, formada em educação física, já ganhou prêmios com a apresentação de Dança do Ventre, a professora alega que não se tem certeza, aonde nasceu a dança, quem a popularizou foi o cinema egípcio (nos anos de 1920, os filmes começaram a chegar aos EUA, despertando a ideia de Hollywood a produzir filmes do estilo), depois disso, a arte ficou mundialmente popularizada. Lunah afirma: A dança do ventre não tem restrição, pode ser praticadas por homens, mulheres, crianças, não tem que se preocupar com sua forma física, veja a dança como uma atividade, uma inclusão social. Em relação à sensualidade, a professora alega que, a mulher se descobre artisticamente.

Hoje é normal, fazer fusão com outros estilos como Jazz, Tango e Samba, deixando tudo na mesma proporção, a dança não é bem vista em países mulçumanos, No Egito bailarinas de classe média, trabalham e, a noite dão aulas para se sustentar, muitas delas não são bem vistas, em casamentos se dança muito. Muitas artistas egípcias que dançam, fazem novelas, cinema, trabalhos sociais, dependendo do local, não podem mostrar a barriga, Lunah cita nomes de algumas como: Dina e Soraia Zaied (que é brasileira, mas, vive há quinze anos no Egito);

A palavra jazz lembra o estilo musical surgido em New Orleans, que surgiu nas comunidades negras, para muitos, a música mais perfeita que existe, onde para tocar, precisa ser musico de qualidade, que já teve artistas como Billie Holiday e Miles Davis, mas, na mesma época surgiu a dança, o professor Everton Manoel, explica que o estilo que foi moda nos anos de 1980, está voltando e, que para se apresentar, precisa ter certa encenação teatral, hoje o street dance, está se fundindo com o jazz, Everton alega que o jazz nunca se afastou de suas origens negras, pois, nas danças afro, todos percebem a influência do jazz.

Professor Everton

O professor Everton também dá aula de contemporâneo, ele afirma que é uma dança em constante transformação, o coreografo tem que buscar novos caminhos, nunca cair no convencional;

Professora Mishely

A zumba foi inspirada na música latina, surgiu na Colômbia em 2001, mas, alguns alegam que apareceu dez anos antes, hoje está em 150 países, possui elementos do samba, salsa e merengue, a professora Michele Franklino, comenta que a zumba vive uma febre, principalmente em países latinos, já que as músicas são em espanhol, segundo Michele a dança proporciona alegria e diversão, bom para quem nunca dançou, a tendência é só crescer, existe clips no youtube que chegaram a ultrapassar 200.000.000 de acessos;

Os ciganos são um povo nômade, de origem indiana, se concentraram na Europa, Brasil, Argentina e Estados Unidos, em nosso país, na religião da umbanda, tem muita influência cigana.

Professora Joyce

A professora Joyce Borges, afirma que quem pratica dança cigana fica feliz, se diverte, Joyce conta, que algumas apenas dançam, outras abraçam a filosofia, em relação as roupas coloridas, ela fala que é uma característica do brasileiro, os ciganos da Turquia, por exemplo, não exploram tanto a cor. O grupo francês, Gipsy Kings, fez muito sucesso no Brasil nos anos de 1990, tocando música cigana, hoje a banda de rock americana, Gogol Bordello leva a cultura cigana ao mundo, cada musico e de uma nacionalidade, de continentes diferentes;

Como a maioria sabe a cultura Hip Hop, surgiu na década de 1970, com a influência de jamaicanos, afro americanos e latinos, isso na cidade de Nova York, o grupo Afrika Bambaataa, foi o percussor, a cultura hip hop incluem moda, grafite e a música rap.

Professora Bruna

Bruna Santanna professora de Hip Hop, diz todo preparo físico é bom, para praticar qualquer tipo de dança, mesmo assim, isso não é uma coisa que ela exige dos alunos, apesar do rap, ser uma forma de protesto, uma luta em favor do povo negro, quem pratica a arte, vem para dançar, não existe regras, e para todos. Segundo Bruna, o hip hop está se misturando com outros tipos de música como funk e, até música clássica.

Como viram, é um mundo completo, com variedades, movidas por uma paixão, uma arte que se fundi, se torna eclética, se revigora e, para muitos, pode ser considerado esporte, pois, exige preparo.  Talvez a mais rica das artes.

Academia também possui Dança de salão, Baby class, Tai Chi Chuan, Yoga, Ballet Clássico e Sapateado.

Mais informações: www.shivanataraj.com.br

Dança no cinema:

Ballet: O Cisne Negro

Flamenco: Salomé

Dança do Ventre: Tudo o que Lola Quiser

Dança de Salão: Strictly Ballroom

Dança Latina: Dance Comigo

Hip Hop: No Balanço do Amor