O Fumo e a infertilidade, por Arnaldo Cambiaghi*

29/08/2017 22:43
noticia O Fumo e a infertilidade, por Arnaldo Cambiaghi*
noticia O Fumo e a infertilidade, por Arnaldo Cambiaghi*

Fumar é considerado por muitos como a causa de doenças e mortes mais previsíveis do ser humano. A maioria das pessoas que fuma não tem consciência que este vício provoca dependência e causa males à saúde que se agravarão no decorrer de suas vidas. A sensação que prevalece entre os fumantes é a diminuição da ansiedade e do estresse. Consideram um antidepressivo que ameniza "os aborrecimentos". Dados da Organização Mundial da Saúde revelam que o uso do tabaco acarreta, aproximadamente, 5 milhões de óbitos por ano, ou seja, 10 mil falecimentos por dia. Se o ritmo atual de consumo for mantido, o número atual de mortos poderá alcançar 10 milhões por ano em 2020. No Brasil, calcula-se que 17,4% da população é fumante, sendo que a maioria é adolescente. São 2,7 milhões de consumidores de cigarros que têm idade entre 12 e 17 anos. Quanto mais cedo se inicia o uso do fumo, maior será a possibilidade do aumento de quantidade de cigarros por dia. O crescimento tende a ser progressivo. No Brasil, são 200 mil mortes a cada ano.

Aproveitando o Dia Nacional de Combate ao Fumo, comemorado em 29 de agosto, é importante destacar que quando semenciona o "fumo", não é só do cigarro que se está falando, mas também de outros produtos provenientes do tabaco como: charutos, narguile, cachimbo, fumo de mascar etc. Todos têm efeitos nocivos semelhantes. Maiores ou menores, mas sempre prejudiciais à saúde.

Os estudos que avaliam os efeitos maléficos do fumo são contínuos e frequentemente são descobertos novos inconvenientes à saúde do ser humano, além das evidências já conhecidas, permanentes e debatidas, que causam quase 50 doenças diferentes, principalmente as cardiovasculares (infarto, angina), o câncer e as doenças respiratórias obstrutivas crônicas (enfisema e bronquite), a infertilidade e outras.

Cigarro e Fertilidade

O cigarro é considerado o veneno reprodutivo mais potente do século 21. Vários estudos científicos comprovam seu efeito deletério sobre a saúde reprodutiva.

A fumaça do cigarro contém centenas de substâncias tóxicas, incluindo a nicotina, monóxido de carbono, polônio radioativo, alcatrão, colesterol, fenol, ácido fórmico, ácido acético, chumbo, cádmio, zinco, níquel, benzopireno e substâncias radioativas, as quais afetam a função reprodutiva em vários níveis, como a produção dos espermatozoides, motilidade tubária (importante para a captação do óvulo que sai do ovário no momento da ovulação), a divisão das células do embrião, formação do blastocisto (embrião com mais de 64 células) e implantação.

Mulheres fumantes também podem apresentar maior incidência de irregularidade menstrual e amenorreia (falta de menstruação). A fertilidade é reduzida em 25% nas mulheres que fumam até 20 cigarros ao dia, e 43% naquelas que fumam mais de 20 cigarros, ou seja, o declínio da fertilidade tem relação direta com a dose de nicotina.

Durante a gestação, o fumo pode aumentar a incidência de placenta prévia (placenta baixa), descolamento prematuro da placenta e parto prematuro.

Deve-se sempre estimular as pessoas a parar de fumar, especialmente os casais que estão tentando engravidar e,principalmente, homens nesta situação que apresentam contagem de sêmen no limite inferior da normalidade. Entretanto, mesmo com contagem de sêmen normal, o fumo deve ser desencorajado.

Efeitos do cigarro sobre a fertilidade

(Publicado pela Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva-ASRM)

* Homens e mulheres fumantes têm chances três vezes maiores de sofrer de infertilidade quando comparados àqueles que não fumam.
* Tentando estabelecer uma relação causal, os estudos atuais mostram que 13% da infertilidade feminina podem ser atribuídas ao cigarro. Lembrando que 10 cigarros por dia já são suficientes para prejudicar a fertilidade.
* Mulheres tabagistas crônicas entrarão mais cedo na menopausa (um a quatro anos antes), o que pode ser atribuído à aceleração da diminuição do estoque de óvulos.
* O hábito de fumar está associado a um aumento no risco de abortamento (aumenta em até 27%) e gravidez ectópica (gravidez nas tubas).
* O cigarro na gravidez prejudica a fertilidade do filho homem.
* Filhos de mães fumantes têm dificuldade no aprendizado escolar.
* Filhos de pais fumantes têm maior chance de desenvolver câncer.
* Mutação genética é um possível mecanismo pelo qual o cigarro pode afetar a fecundidade e a função reprodutiva.
* Estudos científicos demonstraram que mulheres fumantes precisam de duas vezes mais tentativas de Fertilização in vitro que as não fumantes, além de necessitar, nos tratamentos, de uma quantidade maior de medicamentos.
* Homens que fumam têm muito mais espermatozoides anormais que os não fumantes, e a porcentagem de espermatozoides anormais está diretamente ligada ao número de cigarros fumados por dia.
* Fumantes passivos (tanto homens como mulheres) com exposição excessiva ao cigarro também têm maior incidência de todas as alterações descritas acima.

Por que as pessoas começam a fumar?

Os adolescentes fumam por pressão de amigos e colegas, imitação, manifestação de independência, rebeldia ou para sentir-se uma "figura mais importante" no grupo de relacionamento. Os adultos pelo vício e efeito calmante, e muitos continuam pelo medo de engordar. As empresas produtoras de cigarros buscam nos jovens os "substitutos" dos adultos que deixam de fumar ouque já morreram pelas complicações do fumo. Conhecem suas motivações e as estimulam por meio de propagandas que utilizam jovens atraentes e bem sucedidos, numa idade desejável e esplendorosa, realizando ações de liberdade em paisagens deslumbrantes e excitantes.

As empresas publicitárias conhecem o perfil deste público jovem: vivem o presente, anseiam por liberdade, valorizam a amizade e a imagem pessoal, são sedutores, amantes da natureza e gostam de aventura.

Os pais podem ajudar muito os jovens a não iniciar a prática do fumo. Mesmo em um ambiente onde existe a pressão dos anúncios publicitários e amigos que forçam este hábito, o exemplo em casa, um bom relacionamento familiar com diálogos esclarecedores, podem ser decisivos para que se evite a continuidade deste costume.

Em vários países, campanhas antitabagismo retratando os males do fumo têm ajudado a desencorajar os entusiastas deste vício. Muitas delas vêm junto dos maços de cigarro.

É sempre bom lembra que...

Outros males causados pelo tabagismo:

. 200 mil mortes por ano no Brasil (23 pessoas por hora);
. 25% das mortes causadas por doença coronariana, angina e infarto do miocárdio;
. 45% das mortes causadas por doença coronariana na faixa etária abaixo dos 60 anos;
. 45% das mortes por infarto agudo do miocárdio na faixa etária abaixo de 65 anos;
. 85% das mortes causadas por bronquite e enfisema;
. 90% dos casos de câncer no pulmão (entre os 10% restantes, 1/3 é de fumantes passivos);
. 30% das mortes decorrentes de outros tipos de câncer (de boca, laringe, faringe, esôfago, pâncreas, rim, bexiga e colo de útero);
. 25% das doenças vasculares (entre elas, derrame cerebral);
. Impotência sexual no homem;
. Aneurismas arteriais;
. Úlcera do aparelho digestivo;
. Infecções respiratórias;
. Trombose vascular;
. Tosse do fumante;
. Coloração amarela nos dentes e nos dedos;
. Agravamento das alergias e da asma;
. Arteriosclerose.

As doenças cardiovasculares e o câncer são as principais causas de morte por doença no Brasil, sendo que o câncer de pulmão é a primeira causa de morte por câncer. As estimativas sobre a incidência e mortalidade por câncer no Brasil, publicadas anualmente pelo INCA indicam que, anualmente, cerca de 22 mil pessoas adoecem em decorrência do câncer de pulmão (15 mil homens e 7 mil mulheres) causando aproximadamente 16 mil mortes. Desse total de óbitos, 12 mil deverão ocorrer entre os homens e 4 mil entre as mulheres.

Porém ao abandonar o hábito do fumo, o risco de ter essas doenças vai diminuindo gradativamente e o organismo do ex-fumante vai se restabelecendo.

Dicas para largar o fumo

O vício do cigarro pode ser considerado uma doença. Enquanto não se admitir isto, não se consegue parar. O ideal é nem começar, pois dois terços daqueles que experimentaram acabaram viciados. Procure não buscar justificativas nas exceções da vida para manter o seu vício, como por exemplo, "fulano(a) morreu jovem e não fumava e sicrano(a) que fumava viveu até a senilidade" ou: "fulano(a) não fumava e teve dificuldades em ter filhos e sicrano(a) que tinha o vício teve muitos filhos". A regra é completamente diferente. Por isso...

1. Não adie a sua decisão: o momento é agora. Pessoas que marcam datas futuras para o rompimento com o cigarro como, por exemplo: "no ano que vem", "depois do natal", "na semana que vem" etc. Dificilmente cumprem a promessa.

2. Determinação: o dia que você determinou para por fim ao seu vício deve ser respeitado. Respeite a sua decisão. Não procure desculpas para voltar atrás. A determinação é o artifício mais valioso.

3. Fumar sem tragar também faz mal, não acredite no contrário.

4. Não existe nenhum medicamento ou adesivo milagroso que faça que você não sinta vontade de fumar naqueles momentos em que você acendia o cigarro por hábito ou por prazer. O autocontrole é determinante.

5. Informe a seus familiares e amigos mais próximos sobre a sua decisão. Eles poderão reforçar a sua atitude. Não tenha medo de falhar, mas se isso acontecer tente de novo. Muitas das pessoas que conseguiram, não o fizeram na primeira tentativa.

6. Ao parar de fumar, não deixe cigarros ao seu alcance, não tenha no trabalho ou em casa e evite o convívio com fumantes.

7. Não abra exceção de forma alguma nem balbucie a frase "só uma tragadinha, pois hoje é tal comemoração".

8. Identifique quais são os gatilhos que o fazem acender o cigarro.

9. Tome líquido em abundância.

10. O período crítico são as duas primeiras semanas; cada dia é uma vitória.

11. Após 14 dias, você passou o período crítico, e após um mês você já é um ex-fumante que só voltará se quiser.

12. Evite companhias de pessoas fumantes, pois podem levar à tentação. Evite festas, pois estes ambientes podem levar a uma recaída. O ex-fumante deve evitar acender cigarro para colegas, ou fumar esporadicamente. Estas práticas o levará novamente ao vício.

13. Faça exercícios, eles podem diminuir a vontade de fumar, além de controlar o estresse.

14. Não se dê o direito de voltar a fumar, caso esteja passando por algum problema ou contrariedade.

15. Se você se interessou por estas dicas, já é um bom começo. Parabéns.

 

*Arnaldo Schizzi Cambiaghi é Diretor do Centro de Reprodução Humana do IPGO, ginecologista-obstetra especialista em medicina reprodutiva. Membro-titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Laparoscópica, da European Society of Human Reproductive Medicine. Formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa casa de São Paulo e pós-graduado pela AAGL, Illinois, EUA em Advance Laparoscopic Surgery. Também é autor de diversos livros na área médica como Fertilidade Natural, Grávida Feliz, Obstetra Feliz, Fertilização um ato de amor, e Os Tratamentos de Fertilização e As Religiões, Fertilidade e Alimentação, todos pela Editora LaVida Press e Manual da Gestante, pela Editora Madras. Criou também os sites: www.ipgo.com.brwww.fertilidadedohomem.com.brwww.fertilidadenatural.com.br, nos quais esclarece dúvidas e passa informações sobre a saúde feminina, especialmente sobre infertilidade. Apresenta seu trabalho em congressos no exterior, o que confere a ele um reconhecimento internacional.